2

Ago 19

2 Agosto, 2019

Comunicado: Resultados do Concurso de atribuição de Bolsas de Doutoramento 2019 e Implementação do Decreto-Lei nº57/2016

A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a par do Governo de Portugal, comprometem-se regularmente a aumentar o financiamento, melhorar as condições de investigação, entre muitos outros. Nos anos de 2018 e 2019, isto não foi exceção.

A implementação do Decreto-Lei n.º 57/2016, de 29 de agosto, (DL57) foi, segundo múltiplos comunicados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), bem-sucedida [1, 2]. Segundo o MCTES, o plano geral de contratualizações ao abrigo do novo quadro legislativo foi concretizado com sucesso. Ainda assim, será de ressalvar que o procedimento não ocorreu conforme o disposto no diploma acima referido. Vejamos: o DL57 tinha implementação prevista para o ano de 2016, através da celebração de contratos de trabalho dos profissionais de ciência empregados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) ao abrigo da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. Ainda assim, os procedimentos conducentes à concretização deste objetivo apenas começaram a ocorrer de forma efetiva em 2018, sem se verificar a total conversão dos contratos existentes, conforme constante no DL57. Estando em ano de eleições, ressurge agora a possibilidade das bolsas de pós-doutoramento. A par de tudo isto, quanto à existência de concursos com vagas por preencher, os órgãos responsáveis responderam dizendo que isso só demonstrava a eficácia da medida. Consideramos, então, a informação veiculada pelo MCTES exagerada, pois, apesar de se fazer sentir uma melhoria generalizada do paradigma da ciência em Portugal, a medida não se apresenta competitiva face às propostas de internacionalização. Esta situação retém os investigadores numa situação invariavelmente precária, motivo pelo qual, a nosso ver, muitas das vagas não foram preenchidas [3].

Em 2018, houve um aumento necessário do número de Bolsas de Doutoramento (BD) atribuídas pela FCT. Contudo, os descalabros no processo mantiveram-se, com inúmeras falhas no seu decorrer, nomeadamente quanto à incerteza e incumprimento das datas de audiência prévia, recurso e divulgação de resultados do processo. De facto, tendo agora sido divulgados os resultados do concurso de BD do ano de 2019, não há ainda resposta quanto ao recurso do processo concursal de 2018. Apesar de, ao invés de 950 bolsas, terem sido atribuídas 1350, não há ainda melhorias no sistema informático associado ao processo de candidatura.

Em ambos os casos, o aumento de vagas de empregabilidade para cargos precários não pode ser por si só uma solução. Contrariamente, são medidas populistas perigosas que satisfazem a curto prazo algumas necessidades, mas falham em garantir estabilidade aos investigadores e ao Sistema Científico e Tecnológico Nacional. Urge efetuar uma planificação a longo prazo, com números de vagas a concurso adequadas, condições de trabalho dignas e capacidade de adaptar o financiamento para a ciência às suas necessidades.

 

A Direção da ANBIOQ

 

 

 

[1] em Público, 1 de fevereiro de 2019, ‘Ministro da Ciência: “Não tenho dúvida nenhuma” de que há “pleno emprego” entre os doutorados’
[2] em Expresso, 20 de abril de 2019, ‘3384 doutorados já foram contratados por universidades, politécnicos, centros de investigação e empresas’
[3] em Público, 22 de setembro de 2018, ‘Investigadores criticam concurso da FCT que negou contrato a 3500 candidatos’

 

 

19

Jun 19

19 Junho, 2019

A ANBIOQ é membro do Conselho Superior da Convenção Nacional de Saúde

A ANBIOQ tornou-se membro integrante do Conselho Superior da Convenção Nacional de Saúde (CNS).

A CNS é uma organização plural e social, criada aquando o abandono do Conselho Nacional de Saúde por parte da Ordem dos Médicos. Assim, a CNS surge em “paralelo” ao Conselho Nacional de Saúde.

De forma a dar voz aos seus membros, a CNS criou uma “Agenda para a Saúde”, onde reúne todas as medidas e propostas apresentadas pelos seus membros integrantes.

A “Agenda para a Saúde”, que conta com propostas da ANBIOQ, foi oficialmente apresentada no dia 18 de junho durante a convenção “Duas Visões sobre o Futuro e a Saúde” que contou com o Alto Patrocínio da Presidência da República.

Através da ANBIOQ todos os bioquímicos profissionais de saúde, investigadores, empreendedores, docentes do ensino superior e estudantes, têm agora voz na construção da Agenda da Saúde em Portugal.

15

Abr 19

15 Abril, 2019

Voluntários para Congresso EFI 2019, Lisboa

De 8 a 11 de Maio vai decorrer a “33rd European Immunogenetics and Histocompatibility Conference” em Lisboa. A organização do evento, em conjunto com a Associação Nacional Nacional de Bioquímicos, está à procura de 10 voluntários de apoio ao evento.

O trabalho de voluntário será devidamente certificado pela Organização (certificado de participação), assim como os créditos (UCs) atribuídos. As refeições serão garantidas durante o dia e serão dadas as informações necessárias aos voluntários pela Organização antes do Congresso.

Os candidatos deverão mostrar o seu interesse para info.anbioq@gmail.com até ao dia 20 de Abril com as seguintes informações: Nome, Grau Académico, Profissão (se são estudantes, por favor especificar se Mestrado/Doutoramento), Instituição actual, e também os dias sessões em que pretendem colaborar, se não for possível estarem todos os dias.

Mais informações em https://efi2019.org

27

Mar 19

27 Março, 2019

Redução do valor das quotas de sócio

 

A partir do ano civil 2019 o valor das quotas anuais para sócios da Associação Nacional de Bioquímicos tiveram uma descida de valor, passando para:

– Estudantes de Licenciatura ou Mestrado: 5€

– Estudantes de Doutoramento ou Profissionais: 20€

Pede-se a todos os sócios da ANBIOQ que regularizem o valor das quotas em atraso, sob pena de perderem os seus direitos e vantagens, seguindo as instruções detalhadas aqui.

26

Mar 19

26 Março, 2019

11ª Reunião Científica da Sociedade Portuguesa de Medicina Laboratorial – 5 e 6 abril de 2019, Coimbra

11ª Reunião Científica da Sociedade Portuguesa de Medicina Laboratorial – 5 e 6 abril de 2019, Coimbra

A Sociedade Portuguesa de Medicina Laboratorial (SPML) realiza dias 5 e 6 de Abril de 2019, no Hotel Vila Galé em Coimbra, a 11ª Reunião Científica da Sociedade Portuguesa de Medicina Laboratorial.

Este ano com 3 cursos-pré-congressos, que desenvolvem o conhecimento nas áreas do controlo interno, micologia e variabilidade biológica, a Reunião da SPML é creditada pelo Colégio de Biologia Humana e Saúde da Ordem dos Biólogos com 0,525 UC e os cursos pré-congressos com 0,225 UC, cada um.

Em anexo encontra o Programa e Resumos dos 3 cursos pré-congresso, disponibilizados pela organização.

Podem obter informações detalhadas e inscrever-se no site da Reunião aqui e nos links abaixo mencionados:

Programa_11ªReuniãoSPML_21

Course outline 2019

 – Resumo para Inscrição – Variabilidade Biologica

 – Resumo para Inscrição

 

 

25

Mar 19

25 Março, 2019

Tomada de Posse dos novos Órgãos Sociais

Tomaram posse no dia 17 de março de 2019, os novos Órgãos Sociais para o mandato 2019-2021 da Associação Nacional de Bioquímicos, na XX Assembleia Geral Ordinária, realizada no Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra, no qual tomaram posse a Direção, Mesa da Assembleia Geral e Concelho Fiscal, sendo as listas encabeçadas por Gonçalo Teixeira, António José Preto, e Nuno Chicória, respetivamente.

A eleição e tomada de posse foi caracterizada pelo carácter renovador nas equipas formadas, sendo que os elementos de cada órgão empossado poderão ser consultados no site da Associação Nacional de Bioquímicos, ou em ANBIOQ 2019-2021_novosorgaos

 

1

Mar 19

1 Março, 2019

Convocatória: XX Assembleia Geral

Caro(a) sócio(a):

De acordo com o disposto no Artigo 17, ponto 2, do regulamento interno da Associação Nacional de Bioquímicos (ANBIOQ), a Mesa da Assembleia Geral vem convocá-lo a participar na XX Assembleia Geral Ordinária, que se realizará a 17 de março de 2019 na Sala 2.4 do Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra, com início às 15 horas. Na eventualidade de não haver quórum de associados, a Assembleia iniciará os seus trabalhos meia hora mais tarde (15h30) com os elementos presentes.

A Assembleia Geral reunirá subordinada à seguinte ordem de trabalhos:

1. Apresentação e aprovação do relatório de contas de 2018;
2. Informações sobre as atividades desenvolvidas em 2018;
3. Apresentação da(s) lista(s) candidata(s) aos órgãos sociais da ANBIOQ;
4. Eleição dos corpos sociais da ANBIOQ para o mandato 2019-2021;
5. Apresentação do plano de atividades para 2019;
6. Tomada de posse dos novos órgãos sociais eleitos;
7. Outros assuntos.

28

Nov 18

28 Novembro, 2018

Ciclo de Artigos – 1. Laboratory Medicine – Challenges And Opportunities

Na sessão de abertura deste Congresso, o colega Michael Oellerich enfatiza que o laboratório clínico deve ter um papel mais ativo através da participação como membro integral, de pleno direito que adiciona valor, nas equipas de saúde.

Através da implementação da inovação científica no diagnóstico, desenvolvendo estratégias que adicionem mais-valia a um diagnóstico melhorado, ao mesmo tempo que deve liderar na forma como os testes devem ser usados e que gere a Proposição de Valor.

Ainda segundo Oellerich, o Laboratório Médico pode ser o motor da cooperação multidisciplinar que melhor promova a medicina personalizada.

Para este colega, desta forma, o laboratório clínico beneficia os pacientes e os sistemas de saúde nacionais, ao mudar o foco da “medicina reativa” para a “medicina preventiva”, promovendo a terapia dirigida (personalizada), reduzindo o “erro/tentativa” da prescrição, reduzindo as reações adversas e aumentando a eficácia na Saúde.

Fonte: “5th EFLM-UEMS European Joint Congress in Laboratory Medicine Laboratory Medicine at the Clinical Interface Antalya, Turkey, October 10-13, 2018 – Abstracts” Clin Chem Lab Med 2018; 56(11): eA203–eA359.

Os bioquímicos clínicos da Associação Nacional de Bioquímicos, em conjunto com os colegas Especialistas em Análises Clínicas da Ordem dos Biólogos, desenvolveram um conjunto de metodologias inovadoras, que desde 2011 estão a direcionar o laboratório clínico para os pacientes. Por exemplo, o laboratório clínico português consegue agora com este conjunto de metodologias, efetuar a avaliação do impacto direto e personalizado dos doseamentos clássicos laboratoriais em cada paciente.

Através da publicação do documento de otimização dos programas de controlo interno dos laboratórios clínicos (link de acesso) , a LabGen-ANBIOQ e o CBHS-OBIO criaram as condições para que em Portugal possamos calcular a incerteza de medição e como a podemos usar em conjunto com os dados de variabilidade biológica intraindividual para determinarmos qual a capacidade de deteção de alterações fisiopatológicas relevantes e personalizados a cada paciente.

Para além disso, este documento introduziu em Portugal as aplicações da variabilidade biológica, por exemplo como saber qual o tipo de amostra biológica mais adequado para o menor risco de decisão clinica, quando dependente de uma magnitude biológica, na monitorização personalizada do paciente.

 

in- “Readings: Ciclo Artigos sobre as Apresentações do “5th EFLM-UEMS European Joint Congress in Laboratory Medicine 2018” – Numero 1 “Laboratory Medicine – Challenges And Opportunities” , Plataforma de Formaçao e Informação da ANBIOQ (https://formacao.anbioq.pt/) Comissão de Laboratorio Clínico e Genética Humana dos Bioquímicos Clínicos da Associação Nacional de Bioquímicos

Escrito por:
Jorge Pinheiro
Coordenador da LabGen-ANBIOQ
Membro da Direção do CBHS-OBIO
Bioquimico Clínico – LabGen-ANBIOQ
Especialista em Análises Clínicas – CBHS-OBIO

28

Nov 18

28 Novembro, 2018

Ciclo de Artigos: Apresentações do “5th EFLM-UEMS European Joint Congress in Laboratory Medicine” 2018

Inicia agora um ciclo de artigos com base nas principais apresentações do “5th EFLM-UEMS European Joint Congress in Laboratory Medicine” que decorreu em Antalaia entre 10 e 13 de outubro de 2018.

Com esta iniciativa, a LabGen e a ANBIOQ pretendem divulgar as principais linhas orientadoras de pensamento e definição do laboratório clínico a nível internacional, que foram dadas a conhecer neste Congresso.

A divulgação desta informação pretende atribuir poder de decisão ao profissional de laboratório português, que necessite definir as suas expetativas e o seu próximo passo de desenvolvimento e enquadramento que deseja exercer ou preparar-se para a sua atividade, perante os desafios e oportunidades que surgem agora no curto e médio prazo.

Sempre que possível, será dada informação adicional sobre onde obter as ferramentas inovadoras já desenvolvidas pela LabGen-ANBIOQ e divulgadas em conjunto com a Ordem dos Biólogos, para que os profissionais de laboratório possam desenvolver em pormenor o estudo ou técnica necessária de forma a obterem algumas das competências necessárias, segundo o que se refere em cada apresentação deste ciclo de artigos.

in- “Readings: Ciclo Artigos sobre as Apresentações do “5th EFLM-UEMS European Joint Congress in Laboratory Medicine 2018” – Numero 1 “Laboratory Medicine – Challenges And Opportunities” , Plataforma de Formação e Informação da ANBIOQ (https://formacao.anbioq.pt/) Comissão de Laboratorio Clínico e Genética Humana dos Bioquímicos Clínicos da Associação Nacional de Bioquímicos.

7

Jun 18

7 Junho, 2018

Revisão Maio 2018: Procedimento conjunto CBHS-OBIO / LabGen-ANBIOQ : Avaliação e adaptação das NOCs, Harmonização da resposta analítica laboratorial e Quantificação do risco de decisão clínica

O Procedimento conjunto CBHS-OBIO/LabGen-ANBIOQ mostra como implementar a Avaliação e adaptação das NOCs, Harmonização da Resposta analítica Laboratorial e quantificação do risco de decisão clínica.

Este documento foi originalmente elaborado em 2011 pela ANBIOQ e desde 2015 que as suas revisões são fruto do trabalho de cooperação técnico-cientifica entre a ANBIOQ e a Ordem dos Biólogos. Foi o primeiro documento técnico-cientifico desenvolvido em Portugal que explica como implementar algumas das várias aplicações da incerteza de medição em conjunto com a variabilidade biológica: harmonização da resposta laboratorial entre laboratórios diferentes, avaliação e adaptação das NOCs a cada laboratório, quantificação do risco de decisão clínica de cada doseamento através do cálculo da capacidade de detecção de alterações fisiopatológicas relevantes e implementação directa dos requisitos clínicos de qualidade nas próprias cartas de controlo interno.

Poderá consultar o documento aqui.

1
2
3